14/09/2010

O mesmo blog em novo endereço

Depois de alguns testes, começo a partir desta terça-feira a publicar meus textos na nova plataforma oferecida pelo UOL a todos os seus blogueiros. Com o tempo, o histórico deste blog também migrará – por enquanto, ele permanece aqui. Peço aos leitores que acompanham o blog que atualizem o endereço: http://mauriciostycer.blogosfera.uol.com.br/. Obrigado.

Por Mauricio Stycer às 17h12
13/09/2010

Roberto Carlos é melhor que Nilton Santos, dizem Muricy Ramalho e revista

Apresentado como “o maior lateral da história do Brasil” pela revista “ESPN”, Roberto Carlos encontra no principal técnico hoje em atividade no país, Muricy Ramalho, o seu maior entusiasta: “Foi o melhor que eu vi na posição. Os caras falam do Nilton Santos, mas não tem comparação. Os caras são muito saudosistas”.

No interior da revista, o título dado ao jogador do Corinthians é um pouco menos grandiloqüente. Ele é apresentado “apenas” como “maior lateral-esquerdo da história do futebol”. O próprio Roberto Carlos, num raro momento de modéstia, reconhece que há outros jogadores na sua frente: “Acho Nilton Santos, Junior, Branco, e depois apareço eu”.
 
Na visão da revista, pesam a favor de Roberto Carlos a longevidade na seleção (125 e 11 gols), o sucesso internacional (13 títulos apenas pelo Real Madrid, incluindo dois mundiais e três europeus) e o talento tanto na defesa quanto no ataque. “No auge da carreira, ele era defensivamente perfeito”, diz Caio Maia, diretor de Redação da “ESPN”.

Na longa reportagem com o craque, não se mencionam dois de seus fracassos – as Copas de 1998 e 2006. “O fato de Roberto Carlos ter arrumado a meia naquele lance... Há um consenso que não podia ser um jogador baixo como ele a marcar o Henry”, defende Maia.

A eleição de Roberto Carlos como “maior lateral” do futebol brasileiro é contestada por um especialista no assunto, o jornalista Paulo Guilherme, autor do livro “Os 11 maiores laterais do futebol brasileiro” (Editora Contexto). Na sua seleção, que começa com Nilton Santos e termina com Roberto Carlos, há lugar ainda para Djalma Santos, Carlos Alberto Torres, Nelinho, Wladimir, Junior, Leandro, Branco, Leonardo e Cafu.

“É difícil fazer qualquer tipo de comparação entre jogadores que atuaram em épocas tão diferentes do futebol. Uma lista cronológica com Nilton Santos, Junior, Branco e Roberto Carlos é um ótimo exemplo de como a posição de lateral-esquerdo evoluiu no futebol brasileiro e mundial”, observa Paulo Guilherme, que diz mais:

Nilton Santos tinha como principal função marcar o ponta-direita adversário. Raramente passava do meio-de-campo, embora tenha sido um dos pioneiros nesta jogada ao fazer o gol contra a Áustria na Copa de 1958 desrespeitando as ordens do técnico Vicente Feola. Os times jogavam no esquema 4-2-4 com jogadores com territórios bem divididos em campo.

Júnior e Branco já tinham mais liberdade para atacar, e atuavam no esquema 4-3-3 ou 4-4-2. Roberto Carlos, por sua vez, simboliza o lateral que é praticamente um atacante, com um preparo físico exemplar capaz de ir em poucos segundos da defesa ao ataque durante os 90 minutos da partida. É, assim como Cafu pela direita, o maior expoente da era dos ‘alas’, contando com um esquema tático no qual dois volantes e até um terceiro zagueiro estão sempre de prontidão para lhe dar cobertura. Além disso, tem maior poder de finalização.

Na época de Nilton Santos o mercado para jogadores brasileiros na Europa era mais limitado. Já Roberto Carlos fez boa parte da sua carreira no futebol europeu. Disputou mais jogos, mas não teve nas suas atuações em Copas do Mundo o mesmo destaque e a mesma importância de Nilton Santos no bicampeonato de 1958 e 1962. Nilton tinha uma liderança e ascendência sobre o grupo e a comissão técnica. Roberto Carlos era importante, mas nunca foi "o" líder na seleção.

Com tantos laterais fantásticos da história do futebol brasileiro, não vejo razão para dizer que este ou aquele foi o maior de todos. Diria que Roberto Carlos foi sem dúvida o maior dos últimos 25 anos. E que deveria ter sido titular na Copa de 2010, pois é o melhor lateral esquerdo em atividade do futebol brasileiro.

Para o jornalista Roberto Porto, um dos principais historiadores do Botafogo, autor de vários livros sobre o clube, a escolha da revista é “um absurdo”. “É a escolha de um grupo de jornalistas jovens, que não viu nada de futebol, que não conhece e não estuda o passado do futebol brasileiro”.

Caio Maia, da “ESPN”, defende-se. “Sabia que essa escolha ia causar uma polêmica. Mas não estamos dizendo que o Junior Cesar é o maior lateral de todos os tempos. É o Roberto Carlos”. Está aberto o debate.

Fotos: Fábio Braga/Folha Imagem e Acervo Nilton Santos

Por Mauricio Stycer às 13h39

Sobre o autor

Jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 23 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha de S. Paulo" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o "Lance!" e a "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor de “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo”

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Busca

Histórico

RSS